Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
HomeAdoração no IslãPor Que Allah Quer Ser Adorado?

Por Que Allah Quer Ser Adorado?

Adoração: Cumprir seus deveres para com Allah; significa obedecer as Suar ordens e evitar fazer atos que foram proibidos por Ele. De acordo com Islam, adorar a Allah é o propósito da criação do homem. [1] Entretanto, Allah declarou no Alcorão que não precisa de nada e que tudo precisa dEle [2].

Ter necessidades é uma característica comum em todos os seres vivos na Terra. Cada ser vivo necessita de várias coisas ao longo de sua vida. No entanto, não é simples conceber a ideia de que Allah necessita de algo, já que Allah existia antes de tudo ter sido criado e continuará a existir mesmo que tudo chegue ao fim [3].

De acordo com o Islam, são as pessoas que precisam adorar a Allah. Quando Allah pede a Seus servos que O adorem, é como um médico pedindo a seu paciente que cumpra com as condições de um tratamento. É o paciente que precisa de tratamento, não o médico. Mas é o médico que define e administra o tratamnento ao seu paciente. Neste exemplo, o paciente não sabe quais são suas necessidades. Por outro lado, o médico pede ao paciente que cumpra o tratatamento porque ele sabe.

Na vida diária, nós precisamos utilizar algum manual de instruções que nos forneça informações sobre como utilizar e preservar um determinado produto. O alcorão também é um manual de instruções. Isso porque o Criador do homem conhece melhor as suas necessidades [4]. Com as adorações que são mencionadas no Alcorão, ou seja, com as prescrições para as necessidades vitais do homem, as doenças espirituais e as formas de cuidar da alma são estabelecidas.

No Islam a adoração é feita de forma ordenada. Existem momentos diferentes para cada tipo  de adoração, como por exemplo, a oração, o jejum e a peregrinação. Todas essas formas de adoração proporcionam um sistema que coloca a vida das pessoas em ordem. A adoração é importante para as pessoas que estão ocupadas com a correria do dia-a-dia. É a adoração que nos lembra sobre nossos deveres fundamentais: Allah, o Além, e o propósito de virmos a este  mundo. Ao mesmo tempo, com um ato de adoração como o jejum, por exemplo, uma pessoa se lembra que tem um Senhor em cada momento do dia, que não está sozinha e que não está desamparada. Através da oração, a pessoa se lembra que está na presença do Mais Alto e que sem Ele, o seu Senhor e Sustentador, nada será possível.

A adoração é também uma forma de linguagem divina na comunicação entre o servo e Allah [5]. Portanto, abandonar a adoração significa romper a comunicação com Allah. Os muçulmanos buscam ser gratos pelas bênçãos dadas através da adoração e buscam a certeza de que Allah é o melhor refúgio. Dessa forma, eles se sentem seguros[6].

Segundo o Islam, a satisfação espiritual e a paz interior dependem do fortalecimento dos laços com seu Criador. É dito no verso, “aqueles que acreditam e cujos corações encontram conforto na recordação de Allah”. Certamente na lembrança de Allah os corações encontram conforto”[7] foi chamada a atenção para a conexão entre adoração, oração e recordação de Allah para assim alcançar a paz interior.

Aapesar das necessidades espirituais do homem, a adoração não é mantida involuntariamente como a respiração e o sono. De tempos em tempos, Allah guia Seus servos ao culto dando a eles algumas tribulações, tais como doença ou pobreza. Entretanto, a pessoa é quem decide por si mesma como irá responder a estas situações.

Bediuzzaman Said Nursi, um estudioso islâmico, explica que algumas pessoas consideram a adoração difícil através  da seguinte história: [8] Há duas pessoas que são ordenadas a ir para uma cidade distante. Uma delas dá passos firmes, armada e confiante e não se sente vulnerável durante sua viagem. Apesar de sua carga aparentemente pesada, ele chega ao seu destino com confiança e recebe sua recompensa ao chegar lá. A pessoa desarmada, por outro lado, faz uma viagem cheia de temores e chega ao seu destino de forma bastante fraca e insegura, mesmo que o fardo da viagem tenha sido leve. Como resultado, ele é punido, pois se comportou como um rebelde. Embora a adoração possa parecer um fardo neste mundo, ela é uma preparação para a vida da eternidade.

Imam Ghazali, outro estudioso islâmico, relata a seguinte história relacionada  a este assunto: “O profeta Muhammad (que a Paz e a Bênção estejam sobre ele) perguntou uma vez a Abu Dhar: ‘Se você quiser ir em viagem, você se preparará para ela? Abu Dhar respondeu: “Sim, ó Mensageiro de Alá”. O Profeta (que a Paz e Bênção estejam sobre ele) continuou: “Bem, como será a viagem no Dia do Julgamento? Ouça-me; “Devo dizer-lhe o que lhe será útil naquele dia?” ele perguntou novamente. Abu Dhar disse com grande entusiasmo: ‘Sim, ó Mensageiro de Allah! Que minha mãe e meu pai sejam sacrificados por seu caminho”, respondeu ele. O profeta Muhammed (que a Paz e Bênção estejam sobre ele) disse: ‘O dia da ressurreição é um dia muito quente’. Jejue com antecedência para ser refrescado nesse dia! Pela solidão da sepultura, reze dois rak’as (tahajud) à noite. Faça o hajj (peregrinação a Meca) uma vez para o grande dia da Ressurreição e dê caridade aos necessitados. Diga uma palavra correta ou impeça que sua língua diga uma palavra ruim”! [9]

O Alcorão afirma no versículo seguinte que todo o universo glorifica a Deus. “Os sete céus, a terra e todos os que estão neles O glorificam. Não há uma única coisa que não glorifique Seus louvores – mas você simplesmente não pode compreender a glorificação deles. Ele é, de fato, o mais tolerante e perdoador.”[10] Assim, quando a pessoa cumpre seu dever de adoração, ela também mostra que está de fato consciente da sua condição de servo, e estabelece fraternidade e cooperação com todas as criaturas do universo.


[1] Adh-Dhariyat,56

[2] Al-Ikhlas, 2

[3] Al-Hadid, 3

[4] Al-Mulk, 14

[5] Al-Fatihah, 5

[6] Al-Baqarah,21-22

[7] Ar-Ra’d, 28

[8] Bediuzzaman, Said Nursi/ 3rd Word

[9] Ibn Abi Al-Dunya, kitab at-tahajjud wa qiyam al-layl; Al-Ghazali, The Revival of the Religious Sciences (İhyâ’u Ulmû’id-Din)

[10] Al-Isra,44